Voltar

Blog

Estudos

Links

Contato

Fale conosco

           QUEM SÃO OS 144 MIL ESCOLHIDOS?

            Que diz a Bíblia sobre os 144 mil escolhidos?

Os israelitas não aceitaram o Messias porque esperavam um libertador político, que os defendesse segundo as políticas tradicionais de todas as nações. Tendo o Messias vindo com uma proposta muito diferente da que eles esperavam, não O aceitaram e rejeitaram a mensagem messiânica. Contudo, houve um grupo de 144 mil, eleito entre as doze tribos de Israel, ao qual a Bíblia denomina: "As Primícias". A Bíblia fala de dois grupos de israelitas naturais: O primeiro (primícias), e o derradeiro (remanescentes), e fala da Igreja; o Israel espiritual.

 Neste estudo nós veremos como segue cada um destes grupos dentro da ordem bíblica, e como eles foram e serão salvos dentro dos tempos estabelecidos por Deus. Os judeus e israelitas tiveram o seu tempo separado, depois veio o tempo dos gentios, e por fim, o remanescente de Israel reaparece novamente no cenário profético, pouco antes do retorno do Messias. (Sofonias 3.13).

Na opinião de muitos estudiosos, o texto acima está falando dos gentios salvos e incorporados à igreja, e não da nação de Israel. Ora, a igreja não é remanescente de Israel, e sim, uma grande multidão chamada dentre todas as nações e após a seleção dos 144 mil. (Apocalipse 7:4,9).

              Quem são as primícias?

              Primícias: são os primeiros frutos da terra: (Deuteronômio 26.10).

              Os primeiros frutos das colheitas em Israel eram chamados de primícias. (Êxodo 23.19).

Espiritualmente, os 144 mil também são chamados de primícias, ou seja, os primeiros frutos do evangelho. "Estes foram comprados dentre os homens para serem as primícias para Deus e para o Cordeiro" (Apocalipse 14.4). É contraditório dizer que os 144 mil serão escolhidos no fim dos tempos, quando a Bíblia diz que este grupo é as primícias e foram escolhidos antes dos gentios. "Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas" (Tiago 1:18).

A quem Tiago chama de primícias? Os gentios ou os israelitas? A carta de Tiago foi destinada às doze tribos dispersas, portanto, aos filhos naturais de Israel, e não à Igreja dos gentios, ou Israel espiritual. "Tiago, servo de Deus, e do Senhor Jesus Cristo, às doze tribos que andam dispersas, saúde" (Tiago 1:1).

             Quem é o remanescente de Israel?

Remanescente: são os restantes, sobra em alguma ocasião. Por exemplo: Ficou um remanescente da Igreja quando esta fugiu para o deserto. "E o dragão irou-se contra a mulher, e foi fazer guerra ao remanescente da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus, e têm o testemunho de Jesus Cristo" (Apocalipse 12:17). Nos dias de Jeroboão, aqueles que restaram com vida dentre sua família foram chamados de remanescentes da casa de Jeroboão. (I Reis 14.10).

Quanto ao remanescente de Israel, mencionados nas profecias para o tempo do fim, estão na ordem inversa dos 144 mil, e serão agraciados com a misericórdia de Deus nos últimos dias. "Também Isaías exclama acerca de Israel: Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo" (Romanos 9.27).

Pensa-se, erroneamente, que Paulo fala da igreja neste capítulo. Pelo contrário, o apóstolo menciona os israelitas naturais, dos quais, ele mesmo era descendente. (Romanos 9.3,4). Jesus enviou os Seus doze discípulos e lhes ordenou que não fossem aos gentios, nem às cidades de samaritanos; mas que fossem antes às ovelhas perdidas da casa de Israel. (Mateus 10:5-7). Por conta disso, os israelitas salvos naquela ocasião foram chamados de primícias em várias passagens bíblicas.  

ü     São primícias: (Apocalipse 14:4). Primícias porque foram os primeiros a receber a mensagem do evangelho. (Mateus 10:5-7).

ü     Foram selados antes da grande multidão: (Apocalipse 7:4-7).

ü     Eram israelitas naturais das doze tribos dispersas: (Apocalipse 7:4). A diferença entre os 144 mil e a igreja gentílica é vista em Apocalipse 7 v 9, onde aparece a grande multidão sendo chamada depois da seleção dos 144 mil.

ü   Outro exemplo é dado em Apocalipse 14 onde os 144 mil são considerados virgens. Esta é uma característica do provo hebraico, por não se contaminarem com outras religiões, ou seja, a religião de berço os distingue da grande multidão oriunda das mais diversas religiões das nações politeístas. (Apocalipse 14.4).

Paulo escreve aos romanos acerca do evangelho e dá testemunho que os judeus estavam em primeiro lugar no plano de salvação. "Porque não me envergonho do evangelho de Cristo, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro dos judeus, e depois dos gentios" (Romanos 1:16). Colocar os 144 mil por último no plano de salvação é dizer o que a Bíblia não diz.

Os judeus eram os primeiros em tudo, mas por terem rejeitado o Messias, o reino lhes fora tirado entregue ao pequeno rebanho. "O reino de Deus vos será tirado; disse Jesus, e será dado a uma nação que dê os seus frutos" (Mateus 21: 43,45).

A igreja formou-se de dois povos, o pequeno rebanho formado pelos israelitas, e os gentios provenientes de todas as nações. "Não temas, ó pequeno rebanho! porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino". (Lucas 12.32). Mais tarde, a igreja dos (gentios) foi juntada ao pequeno rebanho (israelitas) formando um só rebanho e um só corpo. "Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor" (João 10:16). Destes dois povos, a saber, judeus e gentios, Jesus formou a Igreja, constituindo-a uma nação espiritual. "[...] o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio" (Efésios 2.14).

Os 144 mil foram comprados das doze tribos de Israel, e a grande multidão compõe-se de salvos de todas as nações depois deles. Isto confirma os textos acima, pois primeiro foi dada a oportunidade para Israel. (Romanos 1:16), assim, os 144 mil também foram escolhidos antes da grande multidão das nações. "E ouvi o número dos selados, e eram cento e quarenta e quatro mil selados, de todas as tribos dos filhos de Israel" (Apocalipse 7:4).

Notem que depois de selados os 144 mil, João viu uma grande multidão, de todas as nações e tribos e línguas. (Apocalipse 7.9). Portanto, isso confirma que primeiro foram escolhidos os 144 mil (as primícias) e depois os gentios. Paulo também declara que primeiro foi pregado o evangelho aos judeus, e depois eles partiram para os gentios. "[...] O vosso sangue seja sobre a vossa cabeça; eu estou limpo, e desde agora parto para os gentios" (Atos 18:6)

Mas Paulo também afirma que nem todos os israelitas rejeitaram o evangelho. Segundo ele, houve um grupo eleito, e os outros foram endurecidos. "Pois quê? O que Israel buscava não o alcançou; mas os eleitos o alcançaram, e os outros foram endurecidos" (Romanos 11:7). Estes que foram endurecidos é o remanescente de Israel, que permanecerá endurecido até o fim, mas na volta de Jesus, alcançará misericórdia e se converterá ao Messias.  "Assim, pois, também agora neste tempo ficou um remanescente, segundo a eleição da graça" (Romanos 11:5)

 

144 mil

A Igreja

Remanescente de Israel

As primícias

Gentios salvos pelo evangelho

Os derradeiros frutos

E olhei, e eis que estava o Cordeiro sobre o monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil [...] Estes são os que dentre os homens foram comprados como primícias para Deus e para o Cordeiro. (Apocalipse 14:1-4).

Tiago [...] às doze tribos de Israel que andam dispersas Segundo a sua vontade, ele nos gerou pela palavra da verdade, para que fôssemos como primícias das suas criaturas. Tiago 1:1,18.

Lembrai-vos de que éreis gentios na carne, e chamados incircuncisão pelos que na carne se chamam circuncisão feita pela mão dos homens; Que naquele tempo estáveis sem Cristo, separados da comunidade de Israel, e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança, sem Deus no mundo Porque por ele ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito. Efésios 2: 11,12,18

Agora vim, para fazer-te entender o que há de suceder ao teu povo (Israel) nos derradeiros dias; pois a visão se refere a dias ainda distantes. Daniel 10.14. E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades. Romanos 11:26

 "Pois há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos" (Lucas 13.30). Prezado leitor, você se recorda a respeito de quem Jesus proferiu a frase acima? Bem, Jesus proferiu estas palavras referindo-Se, aos israelitas que O rejeitaram naquele tempo, os primeiros a receberem a mensagem Messiânica, mas serão os últimos a reconhecerem Jesus como o Messias, e a Igreja dos gentios, que foram os últimos chamados ao evangelho, serão os primeiros no Reino Messiânico. "Muitos virão do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e reclinar-se-ão à mesa no reino de Deus" (Lucas 13.29).

             Cumpriram-se as setenta semanas?

 A profecia diz que 70 semanas estavam destinadas ao povo de Daniel, ou seja, aos israelitas, e na última semana, o Messias firmaria uma aliança com eles. (Daniel 9:24). "E ele firmará aliança com muitos por uma semana..." (Daniel 9:27). Os gentios queriam também receber as bênçãos de Jesus naquele tempo. Isto ficou evidente na triste cena de uma mulher cananéia, que saíra ao Seu encontro clamando: "Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, mas Cristo disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Devido à insistência dela, Cristo respondeu: "Não é lícito pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos" (Mateus 15:24-26)

Quando terminou o tempo destinado aos judeus, os discípulos partiram para os gentios. "Mas Paulo e Barnabé, usando de ousadia, disseram: [...]eis que agora vamos para os gentios; (Atos 13:46). Jesus diz ainda que Jerusalém seria pisada pelas nações gentílicas até se que se completasse o tempo dos gentios. (Mateus 23:37-39). Conforme lemos, encerrou-se o tempo dos judeus assim que os 144 mil foram escolhidos, e então abriu-se a porta para os gentios de todas as nações. (Lucas 21:24).

É importante salientar que completando o tempo dos gentios, Deus restaurará novamente o reino a Israel, com também está escrito. (Atos 1.6-8). Os discípulos esperavam, assim como os judeus, que Jesus fosse restaurar o reino de Israel naqueles dias, por isso fizeram esta pergunta. Jesus não disse que o reino de Israel não seria restaurado, como dizem as religiões, mas disse que isto só vai acontecer no tempo determinado por Deus. (Não vos pertence saber os tempos ou as estações que o Pai estabeleceu pelo seu próprio poder). Ora, de acordo com as palavras de Jesus, há um tempo determinado por Deus para que o reino de Israel seja restaurado, mas este tempo pertence a Deus e não a nós.            

Mas Bíblia diz que Deus não rejeitou Israel para sempre. (Romanos 11.1,2). Tanto é que no dia de pentecostes se converteram quase três mil almas de judeus que viviam dispersos entre muitas nações. (Atos 2.5). "[...]  tanto judeus como prosélitos" (verso 10).

             Que se cumpriu no pentecostes?

As palavras dos apóstolos nos levam a outro contexto; os últimos dias: "O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor, e acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo" (Atos 2.20,21).

A promessa de Deus é derramar o Espírito sobre toda carne. Isto é, no dia de pentecostes, esta promessa se cumpriu na igreja, ou seja, os primeiros frutos do evangelho (israelitas convertidos), mas a promessa era para todos os chamados por Deus. "Porque a promessa vos pertence a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe: a quantos o Senhor nosso Deus chamar" (Atos 2.39).

Sendo assim, nos últimos dias este milagre acontecerá também com o remanescente da casa de Israel. (Joel 2:1). Deus derramará novamente o Espírito sobre o remanescente de Israel nos últimos dias antes da volta de Jesus. "[...] depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões" (Joel 2.28).

No início do evangelho, Deus enviou o Espírito Santo para guiar a Igreja no caminho da verdade, e prometeu derramar este poder sobre toda carne que invocar o nome de Jesus como o Messias. Após a conversão dos 144 mil escolhidos de todas as tribos de Israel, este dom foi também derramado entre os convertidos dentre os povos gentios. (Atos 10:45).

Nos últimos dias, o mesmo sinal se repetirá com o remanescente de Israel, e, naquele dia, entre os sobreviventes do Armagedom, todo aquele que invocar o nome do Senhor receberão este poder, como está escrito: "[...] porque no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como disse o Senhor, e entre os sobreviventes, aqueles que o Senhor chamar" (Joel 2:32).  

Cumprindo-se, portanto, o tempo exclusivo aos filhos de Israel, os discípulos partiram para os gentios. (Atos 11:1; Atos 14.27). Após os 144 mil, os gentios também receberam a mensagem do evangelho. "Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios, para tomar deles um povo para o seu nome" (Atos 15.14; 28.28).

Israel foi endurecido e a porta da graça se fechou para eles até que a plenitude dos gentios haja entrado. "[...] o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado" (Romanos 11:25). Na volta de Jesus remanescente de Israel se converterá a Ele e Deus os aceitará novamente como nação sacerdotal. "Porque, se a sua rejeição é a reconciliação do mundo, qual será a sua admissão, senão a vida dentre os mortos?" (Romanos 11:15).

 Mas esta conversão já não será pelo evangelho, pois, quanto a isto, eles permanecerão endurecidos  até o fim. "Assim que, quanto ao evangelho, são inimigos por causa de vós; mas, quanto à eleição, amados por causa dos pais" (Romanos 11.28). Esta reaproximação entre judeus e o Messias será em função do Armagedom. Eles serão novamente enxertado em sua própria oliveira: "E também eles, se não permanecerem na incredulidade, serão enxertados; porque poderoso é Deus para os tornar a enxertar" (Romanos 11:23).

É importante lembrar que esta salvação concedida aos judeus não lhes garantirá a vida eterna. "E se a sua queda é a riqueza do mundo, e a sua diminuição a riqueza dos gentios, quanto mais a sua plenitude!" (Romanos 11.12). Eles apenas entrarão para o milênio como a principal nação dos sobreviventes à batalha do Armagedom. Por causa deste povo escolhido, disse Jesus, aqueles dias serão abreviados, para que eles sobrevivam em corpo carnal, e a vida humana não seja extinta de cima da terra. "E, se aqueles dias não fossem abreviados, nenhuma carne se salvaria; mas por causa dos escolhidos serão abreviados aqueles dias" (Mateus 24:22)

Por ter rejeitado Jesus como o Messias prometido, Jerusalém será oprimida até o fim. "Eis que eu farei de Jerusalém um copo de tremor para todos os povos em redor, e também para Judá, durante o cerco contra Jerusalém" (Zacarias 12:2). Na opressão inimiga, eles clamarão pela misericórdia de Yahweh, e, neste momento, diz a Bíblia, Deus derramará o Espírito sobre eles e chorarão ao reconhecer Jesus a quem rejeitaram como Messias. (Zacarias 12.9,10).

 "Porque, eis que naqueles dias, e naquele tempo, em que removerei o cativeiro de Judá e de Jerusalém, Congregarei todas as nações, e as farei descer ao vale de Jeosafá; e ali com elas entrarei em juízo, por causa do meu povo, e da minha herança, Israel, a quem elas espalharam entre as nações e repartiram a minha terra" (Joel 3:1,2)

No milênio Israel servirá ao Senhor e habitarão a terra como sacerdotes e ensinarão as leis de Deus para todos os povos. "Mas nos últimos dias acontecerá que o monte da casa do SENHOR será estabelecido no cume dos montes, e se elevará sobre os outeiros, e a ele afluirão os povos. E irão muitas nações, e dirão: Vinde, e subamos ao monte do Senhor, e à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos pelas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor" (Miquéias 4:1,2).   

"E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, E desviará de Jacó as impiedades" (Romanos 11.26).

 

              O reino de Cristo e a restauração de Israel

Preservar a semente humana sobre a terra, no milênio, não é apenas uma promessa de Deus; muito mais que uma promessa, o Criador firmou um concerto com toda carne sobrevivente ao dilúvio nos dias de Noé, dizendo que não haveria mais dilúvio para destruir a Terra, nem tornaria a destruir todo vivente como aconteceu naquele tempo. "E eu convosco estabeleço a minha aliança, que não será mais destruída toda a carne [...] (Gênesis 9.11).

O texto em apreço não contempla somente o dilúvio como agente de destruição a ser evitado. Deus promete não mais amaldiçoar a Terra com uma destruição total, seja como for, pelo dilúvio, pelo fogo ou qualquer outro meio. "[...] Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem [...] (Gênesis 8.21).

A crença que defende a Terra vazia pelo espaço de mil anos entra em constrangedora contradição com os textos examinados acima. A promessa de Deus vai um pouco além, isto é, enquanto a Terra existir, existirá sementeira sobre ela, e gente para lavrá-la em todas as estações de ano em ano. "[...] nem tornarei mais a ferir todo o vivente, como fiz. Enquanto a terra durar, sementeira e sega, e frio e calor, e verão e inverno, e dia e noite, não cessarão" (Gênesis 8.21,22)

A promessa de Deus é retirar a maldição que acomete a humanidade e estabelecer a paz sobre a face de toda a terra. "Mas os mansos herdarão a terra, e se deleitarão na abundância de paz" (Salmos 37.11). Veja também: "Eis que reinará um rei com justiça, e com retidão governarão príncipes... O meu povo habitará em morada de paz, em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso [...] Porque o Senhor é o nosso juiz; o Senhor é nosso legislador; o Senhor é o nosso rei; ele nos salvará[...] E morador nenhum dirá: Enfermo estou; o povo que nela habitar será perdoado da sua iniqüidade" (Isaías 32.1,18;33.22,24).
 

            Quem será levado e quem será deixado?

A volta de Jesus, segundo Suas próprias Palavras, será semelhante aos dias de Noé, em que os ímpios foram levados à destruição, e os justos foram deixados em vida, assim será também na vinda do Filho do Homem. "E assim como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem" (Mateus 24.37). Se nos dias do dilúvio, os justos permaneceram sobre a terra, e os ímpios foram levados pelas águas do dilúvio, da mesma forma deve acontecer nos dias do retorno do Messias. "[...] até ao dia em que Noé entrou na arca. E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem" (Mateus 24.38,39).

Quem foi levado nos dias de Noé? Não é necessário responder a esta pergunta, porque ela já foi esclarecida por Jesus no texto de Mateus: "até que veio o dilúvio, e os levou a todos", assim será também na vinda de Jesus. "[..] estando dois no campo, será levado um, e deixado o outro" (Mateus 24.40).

As palavras de Jesus confirmam as profecias e as promessas de Deus em preservar os justo sobre a terra, como afirma o sábio Salomão: Os justos habitarão a terra, e os íntegros permanecerão nela. (Provérbios 2.21). Por outro lado, os ímpios, serão retirados da terra, como diz a profecia: "Mas os ímpios serão arrancados da terra, e os aleivosos serão dela exterminados" (Provérbios 2.22).  

Davi também profetiza a eliminação dos malfeitores e a permanência dos justos sobre a Terra. Porque os malfeitores serão desarraigados da terra; disse o salmista. (Salmos 37.9). Isto é verdade, porém, precisamos saber como estas coisas se sucederão neste processo. Davi diz ainda: "mas aqueles que esperam no Senhor herdarão a terra" (Salmos 37.9). Em outro versículo o salmista profetiza a permanência para sempre dos justos sobre a terra. "Os justos herdarão a terra e habitarão nela para sempre" (Salmos 37.29).

Bem, que os justos permanecerão na terra não temos dúvidas, e que os ímpios serão arrancado da terra, isto também não podemos negar, porque são fartos os textos bíblicos que respaldam esta realidade.  

            Como acontecerão estas coisas?

A vinda de Cristo é o início dos juízos de Deus sobre as nações que não servem a Deus. O livro do Apocalipse esclarece que a terra não será destruída, e sim, os homens que agora a destroem. Naquele tempo, como diz a profecia do Apocalipse, será o dia da ira de Deus, as nações entrarão em guerra contra o Messias, todos os santos mortos, desde os profetas até os remidos pelo nome de Jesus, ressuscitarão, e Jesus lhes dará galardão. "[...] E o tempo de destruíres os que destroem a terra" (Apocalipse 11.18). A profecia é muito clara. Ao contrário do que se pregam, a terra não será destruída, e sim, os homens que a destroem. Desta forma as promessas de Deus serão cumpridas, e a vida na terra será preservada.            

Mas como acontecerão estas coisas? Serão exterminados os ímpios da face da terra ou restarão sobreviventes das nações durante o milênio? Aqui está o ponto interrogativo da maioria dos estudiosos da Bíblia. Comumente se prega que a volta de Jesus é o fim de todas as coisas. De acordo com este entendimento, Jesus volta, leva os santos para o Céu, destrói os ímpios e entrega a terra ao domínio de Satanás. Onde está escrito isto?  Seria isso mesmo? Não! A vinda do Messias será apenas o início dos mil anos e muitas coisas acontecerão durante este período. De fato a Bíblia diz que os ímpios serão exterminados, isto é bíblico e ninguém pode negar, mas não de uma só vez. Haverá um tempo de mil anos para a erradicação do mal de cima da terra. É um processo onde primeiro será estabelecido o reino messiânico para julgar as nações. Vejamos como estas coisas acontecerão cada uma em sua ordem a partir da volta do Messias e a ressurreição dos santos: "Mas cada um por sua ordem: Cristo as primícias, depois os que são de Cristo, na sua vinda" (1Coríntios 15.23).           

É importante lembrar que somente os santos ressuscitarão na vinda do Messias: "Mas os outros mortos não reviveram, até que os mil anos se acabaram. Esta é a primeira ressurreição" (Apocalipse 20.5). Na vinda de Jesus, os santos de todos os tempos ressuscitarão, e subirão ao Seu encontro nas nuvens, e com Ele descerão sobre o Monte das Oliveiras: "E naquele dia estarão os seus pés sobre o monte das Oliveiras [...]" (Zacarias 14.4).

Vamos voltar um pouco ao assunto do dilúvio. De acordo com as Palavras de Jesus, Sua vinda será semelhante aos dias de Noé. O juízo de Deus no dilúvio durou 150 dias, assim será também a volta do Filho de Deus. Haverá um período de mil anos entre a primeira e segunda ressurreição, e durante este tempo, Jesus reinará e julgará as nações sobre a Terra, e os santos reinarão juntamente com Ele.      

Em relação ao fim, disse o apóstolo: "Depois virá o fim, quando tiver entregado o reino a Deus, ao Pai, e quando houver aniquilado todo o império, e toda a potestade e força" (1Coríntios 15.24). Paulo é categórico, convém que o Cristo reine até que todos seus inimigos sejam colocados debaixo de Seus pés. É necessário que Ele pise o lagar da ira de Deus, como está escrito: "[...] e ele mesmo é o que pisa o lagar do vinho do furor e da ira do Deus Todo-Poderoso" (Apocalipse 19.15).

O profeta Malaquias anuncia acontecimento semelhante para o grande Dia de Deus: "E pisareis os ímpios, porque se farão cinza debaixo das plantas de vossos pés" (Malaquias 4.3).

Prezado leitor, analise cuidadosamente este texto de Malaquias e julgue. Quem são estes que pisarão os ímpios, como diz o profeta, se a Terra estiver vazia após a vinda do Messias? Considere que o profeta fala do Dia de Deus. Ele fala do dia da volta de Jesus e dos juízos de Deus contra as nações. "Pois eis que aquele dia vem ardendo como fornalha; todos os soberbos, e todos os que cometem impiedade, serão como restolho; e o dia que está para vir os abrasará, diz o Senhor dos exércitos, de sorte que não lhes deixará nem raiz nem ramo" (Malaquias 4.1).

A profecia de Malaquias são palavras esclarecedoras. Deus executará Sua Palavra de sorte que não restará nem raiz nem ramos do pecado sobre a Terra, mas o Dia de Deus não é um dia de 24 horas, e sim um espaço de mil anos, estendidos desde a volta de Jesus até a erradicação do pecado para sempre. Daí as razões de Paulo dizer: "Mas convém que Ele reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo de seus pés" (1Coríntios 15.25). Como vimos, Cristo volta, ressuscita os santos, dá-lhes o reino como galardão, e domina sobre as nações. "E vi tronos; e assentaram-se sobre eles, e foi-lhes dado o poder de julgar; [...] e viveram, e reinaram com Cristo durante mil anos" (Apocalipse 20.4).      
 

Os mil anos será um período de profundas transformações em toda Terra. Na primeira vinda de Jesus, os inimigos logo tentaram destruí-Lo. "[...] enviou-lhes seu filho, dizendo: Terão respeito a meu filho" (Mateus 21.37). Satanás quis tomar o reino de Jesus porque sabia que seu tempo neste mundo está próximo. Vendo o filho herdeiro do reino; disseram: "vamos matá-Lo e a herança será nossa" (Mateus 21.38).

Mas Jesus ressuscitou e venceu a morte e voltará com poder e grande glória para reger as nações. "E da sua boca saía uma aguda espada, para ferir com ela as nações; e ele as regerá com vara de ferro [...]" (Apocalipse 19.15). Reger com vara de ferro é um sinal de que haverão nações pecadoras durante os mil anos. A morte foi a primeira maldição a abater-se sobre os viventes no Éden, e será o último inimigo vencido pelo Cordeiro ao final do milênio. [...] o último inimigo que há de ser aniquilado é a morte" (1Coríntios 15.26).

Certas profecias da Bíblia deixam pessoas incrédulas quanto ao milênio devido ao alto grau de complexidade em seus enunciados, porém, uma abordagem mais aprofundada sobre o contexto destas profecias deixará claro o sentido literal em que elas foram escritas. Zacarias, por exemplo, profetiza até o nome da cidade afetada pelos efeitos do terremoto provocado pelo retorno de Cristo sobre o Monte das Oliveiras. "[...] e o monte das Oliveiras será fendido pelo meio [...] pois o vale dos montes chegará até Azel [...] " (Zacarias 14.5). O Messias virá pessoal e poderosamente e todos os santo estarão com Ele. (Zacarias 14.5).

Moisés foi enviado ao Egito como libertador do povo de Israel, o Criador, pois, o envio naquela missão como Deus. "[...] e tu lhe serás por Deus" (Êxodo 4.16). A missão de Moisés era de tamanha importância que o Criador o enviou como Deus. Afinal, ali Moisés era uma figura do Messias, pois havia de libertar os israelitas e conduzi-los à terra prometida.

Jesus virá como Rei dos reis e Senhor dos senhores. "E no manto e na sua coxa tem escrito este nome: Rei dos reis, e Senhor dos senhores. (Apocalipse 19.16). Zacarias diz ainda que naquele dia o Messias será rei sobre toda a Terra: "E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome" (Zacarias 14.9). Finalmente Jerusalém se tornará uma cidade de paz e prosperidade, os judeus se converterão ao Messias e O servirão no Seu reino. "E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome. (Zacarias 14.9).

O que mais diz a Bíblia sobre o fim? Haverá nações sobre a Terra durante os mil anos? Sim, este é o principal motivo da prisão de Satanás. O Diabo será preso para não enganar as nações sobreviventes do armagedom que estarão habitando a terra durante os mil anos. (Apocalipse 20.1-3).

Após o milênio, Satanás será solto da prisão e sairá a enganar os habitantes das nações que estão sobre os quatro cantos da terra. (Apocalipse 20.7,8). A igreja participará no reino com Cristo e regerão as nações com vara de ferro durante os mil anos. "Mas o que tendes, retende-o até que eu venha"; disse Jesus, "E ao que vencer [...] eu lhe darei poder sobre as nações. E com vara de ferro as regerá [...]" (Apocalipse 2.25-27; destaque nosso).

           

Informação Importante:

Prezado amigo visitante, se o assunto te parece interessante, entre em contato conosco e solicite o estudo completo. Enviaremos gratuitamente pelos Correios, portanto, é necessário informar um endereço postal com número da residência e cep: Informe também um email válido, e não esqueça de consultar sua caixa de E-mails e Spam regularmente.

Se preferir, você pode entrar em contato conosco diretamente pelo portal do site. É mais eficiente e fácil de controlar. Para isso clique aqui: CONTATO ou pelo

Fale conosco Estamos à disposição para atender em tudo que estiver ao nosso alcance.